terça-feira, 6 de maio de 2014

"A PARÁBOLA DA PALAVRA E DO POETA"



            Está me parecendo que os padres católicos e os pastores protestantes subitamente começaram a achar urgente assegurar nos seus sermões que o "mundo" está indo para as cucuias, que o "mundo" não nos fala a verdade, que o "mundo" é mau, que o "mundo" já está condenado. O certo, porém, é que padres e pastores descem a lenha no "mundo", mas nem sempre mostram com a devida clareza de que mundo estão falando.
            Com isso, para mim padres e pastores, que insistem que o "mundo" nos está enganando, significa  apenas o mundo que recusa aceitá-los e à sua mensagem, nem sempre de acordo com o que o crente realmente espera deles.
            Na verdade não falam do mundo deles, de seu rígido sistema de fragmentos do passado, sustentado em conjunto com dinheiro e exércitos, mantenedores da assim dita civilização democrática e "cristã".
            Creio que só os Poetas e sonhadores é que estão ainda seguros, de verdade, em seu agudo senso profético, de que o mundo mente, de que vivemos num mundo de mentiras institucionalizadas.
            Lendo os Poetas, cito aqui apenas um, dentre muitos outros  -  George Oppen  - que disse muito bem a respeito deste nosso mundo de mentiras:

                                                 Eles dizem que não
                                                 mas o que aguardam é a guerra 
                                                 e a notícia é guerra
                                                 como sempre
                                                 querem a guerra
                                                 para que os sucos nela possam fluir
                                                 e os sucos também mentem


            Esta diálogo psíquico e químico de notícias misturado a  glândulas, sucos, opiniões, auto-afirmação, desespero: isto é para eles "o mundo", e nenhum profeta precisa doutrinar a respeito. Ali está ele para qualquer um ver, e "o vêem". Vêem como as pessoas e como eles mesmos agem nesse "mundo", aliás, como o testemunha o Poeta:


                                              Desenvolvem argumentos a fim de falar
                                              tornam-se irreais
                                              e a vida irreal perde 
                                              a solidez
                                              perde em extensão
                                              baseball é seu jogo preferido
                                              porque o baseball não é um jogo
                                              mas um argumento                                                                                                                                       e uma diferença de opinião
                                              é que faz as corridas de cavalo
                                              são fantasmas que põem em perigo
                                              nossa alma


            Notícias, argumentos, baseball, e os sucos que fluem. O fato é que não quero as notícias, mas o fluir dos sucos. O estímulo é que tudo isso é mentira, mas não consigo dispensá-lo.


                                             Lobos podem caçar com lobos
                                             mas nós perderemos a humanidade
                                             nas cidades,
                                             nas lojas e nos escritórios
                                             por simples iniciativa


            Mas o Poeta que venho citando  -  Oppen ainda  -  conhece outro mundo mais real, não o das mentiras e do ar viciado de ônibus e de metrô  -  mas o mundo da vida. E este mundo da vida é manifestado nas palavras do Poeta; não é, porém, um mundo de palavras.    Pois o que me importa não são as palavras, mas a vida.
            Se me ponho a escutar de modo particular a linguagem do mundo, falando sobre si próprio, com toda certeza ele me dirá mentiras, e eu serei enganado.
           Isto, entretanto, não acontecerá, se eu escutar a vida em sua humildade, fragilidade, silêncio e tenacidade. E o Poeta fala sobre uma criancinha judia, do "Holocausto":

                                           Sara, pequena semente
                                           semente pequena, violenta, diligente
                                           vem, vamos olhar o mundo
                                           cintilando
                                           essa semente há de falar
                                           palavras
                                           não haverá outras palavras no mundo
                                           senão as que nossas crianças falam
                                           que farão elas de um mundo
                                           do qual elas mesmas foram feitas?


            Será que as palavras das crianças são mentiras também, como as de minha geração  -  ou mentiras piores ainda? Quando se tem uma visão mais profunda da realidade, não há necessidade de perguntar.
             Creio que há a Esperança. Creio num mundo que se refaz à ordem de Deus, sem consultar-nos.
            Poeta não faz perguntas em relação a mentiras, nem com elas se preocupa. Ele vê apenas o mundo a refazer-se na semente viva  -  Sara, pequena semente  -  e o  Poeta pode confiantemente levar uma criancinha à janela para olhar os edifícios falsos, cintilantes, sobre os quais, mais tarde, virão também cintilar algumas palavras.
            O cintilar é falso? Bem, mas a luz é verdadeira. Com isso, o cintilar deixou de ter importância.
            É até mesmo belo.
                                              

                                           

Nenhum comentário:

Postar um comentário