sexta-feira, 21 de julho de 2017

SAUDADES DE MINHA FILHA RAQUEL



            A data mais triste do ano para minha esposa Cleusa, para meus filhos Carlos e Aroldo Jr., para mim, e muito especialmente para minha querida neta, a Isabela, está chegando: o fatídico dia 21 de agosto, em que a mãe da Isabela e minha filha inesquecível, a Raquel, partiu deste mundo de dores para a Casa do Pai de todos os pais.
            A tristeza infindável que nos martiriza pela ausência física da pessoa amada é, paradoxalmente, aliviada pela alegria e pela certeza absoluta de que a Raquel, pela sua vida profundamente vivida, pela sua Caridade ardente para com todos que a rodeavam, descansa hoje na bem-aventurança eterna.
            Com seu organismo debilitado por um insidioso câncer que lhe corroía coluna vertebral e pulmão, com metástase cerebral, ela esperava a morte iminente, mas sua alma transfigurada pela resignação, pela acendrada confiança em Deus, e pelo amor de toda a sua pequena família que sofria com ela dia após dia.
            Permanece a dor da saudade no coração de sua filha Isabela, de seus pais, de seus irmãos, que dedicam à Raquel este singelo poema brotado da alma e fruto da dor, mas aliviada pela certeza de que ela descansa em paz junto ao "Abbá"/PaiMãe de Jesus de Nazaré, e Pai absoluto de todas as vidas:



                                            "Eu esperei a morte como se espera o Bem Amado
                                              Ignorava como ela viria
                                              Nem como viria
                                              Mas eu a esperava
                                              E não havia medo nessa expectativa
                                              Havia somente ânsia e curiosidade
                                              Porque a morte do cristão é bela
                                              Porque a morte do cristão é uma porta
                                              Que se abre para lugares desconhecidos
                                              Mas imaginados
                                              Como o Amor
                                              Que nos promete uma outra vida
                                              Diferente da nossa

                                                                    Eu esperei a morte
                                                                    Como se espera o Bem Amado
                                                                    Porque sei que em breve ela viria
                                                                    E me receberia
                                                                    Em seus braços amigos

                                               Seus lábios frios tocarão a minha face
                                               E sob a sua carícia
                                               Eu adormeceria o sono da Eternidade
                                               Como nos braços do Bem Amado

                                                                    Sei que este sono
                                                                    Será um ressurgimento
                                                                     Porque sei que a Morte é a Ressurreição
                                                                     A Libertação
                                                                     A Comunhão Total
                                                                     Com o Amor Infinito
                                                                      Junto ao Coração
                                                                      Do Pai de todos os pais


                                      
                                            Descanse na paz do Senhor, minha inesquecível Raquel
                                           
           



Nenhum comentário:

Postar um comentário