quinta-feira, 29 de maio de 2014

AFINAL, EXISTEM MESMO DEMÔNIOS?



        Em ligeira pesquisa sobre "demônios" no Novo Testamento, encontrei algumas coisas que me intrigaram. Nessa pesquisa descobri que o Novo Testamento emprega 73 vezes o nome que hoje comumente chamamos de "demônio". Além da palavra demônio, aparecem ainda outros termos correlatos:  "diabo e seus anjos", "espíritos impuros", etc. Isto na versão bíblica intitulada TEB.
        Mas o que me intrigou foi o seguinte: segundo Marcos (5,2) é citada uma pessoa que é possuída por "um espírito impuro", no singular. No mesmo capítulo, (v. 13) essa pessoa está possuída por "espíritos impuros", no plural. Segundo Lucas, (8,27), essa mesma pessoa está possuída por "demônios", no plural.
Mas logo em seguida, (v.29) Jesus identifica esses demônios como "um espírito impuro", no singular, e no versículo seguinte (30) Lucas afirma que são "muitos demônios"... Quem souber explicar-me essas assimetrias, por favor, me explique, porque sou neófito no assunto...
        Aproveito o ensejo para lembrar que a palavra "demônio", tão frequente no Novo Testamento, não aparece nos originais hebraicos do Antigo. Dizem os especialistas que a palavra "demônio" no Novo Testamento só aparece em traduções posteriores, a partir da tradução dos "Setenta" ( ou "Septuaginta").
        Afinal, quem é, ou o que é o "demônio", ou os demônios, já que os entendidos na matéria dizem que são muitos, legião, além de classificá-los em "íncubos" e "súcubos"? (em caso de dúvida, consulte-se o dicionário...).
        Os estudiosos dos textos bíblicos nos ensinam que nos originais hebraicos aparece uma espécie mitológica de bodes, apelidados de "sátiros" nas tradições mesopotâmicas. Vamos encontrá-los em Isaías (13,21), dançando nas ruínas da Babilônia, e os tradutores da "Septuaginta" os chamam de "demônios". No "Levítico" (17,7) aparecem de novo esses sátiros, ou bodes, ou demônios, com os quais os hebreus se prostituíam. A tradução dos "Setenta" os chama simplesmente de "ídolos e coisas vãs". Em outros textos, os "ídolos" se traduzem por "demônios".
        O profeta Isaías (65,3) condena os ritos pagãos, que fazem sacrifícios aos ídolos nos jardins, irritando assim a Deus. Ao adorarem os ídolos, adoram "demônios que não existem", conforme a tradução dos "Setenta".
        No "Cântico de Moisés" (Dt 32,17) repreende-se aos que sacrificaram aos "demônios" (no original, "sedim" = divindades cananéias), a deuses novos, recentemente conhecidos. Em outra oportunidade aparece o vocábulo "sedim", que é mais uma vez traduzido por "demônios", e que novamente representam os ídolos de Canaã, aos quais se ofereciam sacrifícios humanos.
        Clara e abertamente, chama-se "demônios" às divindades cananéias ("sedim") em todas as traduções dos "Setenta".
        Quando Isaías (65,11) fala de "Gad", o deus arameu da fortuna, os "Setenta" também substituem Gad por "demônio". Lembro ainda que o Salmo 96,5 traz no original hebraico a afirmação de que os deuses pagãos são "vãos": deuses = élohim; vãos = élihim. Este é um jogo de palavras impossível de traduzir-se em grego. E os "Setenta" mais uma vez convertem "deuses vãos"  em "demônios"..
        Minha conclusão:
        Salvo melhor juízo, os demônios não passam de ídolos, deuses vãos e, por conseguinte, inexistentes. Tanto é verdade, que o historiador Flávio Josefo, na sua "História da Guerra Judaica", várias vezes emprega o termo "demônios" como sinônimo de "deuses".
        Provavelmente, a palavra grega "daimon" (= demônio) é derivada do verbo "daiomai", que significa "distribuir", e assim eram os deuses que distribuíam bens às pessoas. Mais tarde, conforme uma antiga tradição, estes deuses teriam sido convertidos em anjos. Quando, porém, distribuíam coisas consideradas más, eram convertidos em demônios.
        Mas isto é assunto para outra ocasião. Apenas adianto que "diabo" (= satanás, belzebu) e "demônio"
são coisas diferentes. O demônio, no Novo Testamento, relaciona-se mais com doenças das quais não se conhecem as causas. O diabo relaciona-se com o pecado. Um está na ordem física, e o outro na ordem moral.
        Em todo caso, se quisermos ser coerentes com nossa Fé, deixemos de lado esses asquerosos seres, sejam simples ídolos, sejam demônios  - e apeguemo-nos a Jesus de Nazaré, morto e ressuscitado, e que nos acompanha em todos os momentos de nossa vida. E esta é a verdade que realmente importa.

                                                           ******************

Aroldo Teixeira de Almeida é bacharel em Teologia, Grego Bíblico e Latim , pela Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, da Capital paulista.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

MÁGICOS DO MUNDO INTEIRO, UNI-VOS!



          Confesso que, apesar dos meus setenta e oito anos, viro criança, fico de boca aberta, olhos escancarados, quando vou ao circo e vejo um palhaço trabalhando...
          Gosto de ver Mágico, rodeado por pessoas no palco, como testemunhas, como fiscais, pedir a cinco, dez ou quinze pessoas, objetos de valor  -  anéis, relógios, dinheiro  -  fazendo tudo sumir, enquanto pessoas sobre o auditório e cada dono descobre nos bolsos ou nas próprias mãos o objeto que cedera ao Mágico para a prova...
           Lembro-me ainda hoje de um Mágico, na minha infância, que começou o espetáculo, segundo todo mundo, com uma hora de atraso. Alguém do auditório, combinado com ele, protestou contra a demora com que ele chegara. Ele então puxou o próprio relógio, e provou para quem quisesse ver, que não eram nove da noite como o público pensava, mas oito da noite...
            Pediu que cada um consultasse o próprio relógio. E não é que todos os relógios do auditório transbordante de gente marcavam vinte horas  -  oito da noite?
            Você, meu benévolo leitor, gosta também de Mágicos? Qual foi a mágica mais impressionante e, ao mesmo tempo, mais bela, de que Você se lembra?
             Pois leia cá estes meus versos:

                                          Mágicos do mundo inteiro, uni-vos!
                                          Não vos contenteis
                                          em fazer desaparecer moedas,
                                          transformando-as em pássaros
                                          que sobrevoam a platéia...
                                                              Não vos baste
                                                              fazer o auditório inteiro descobrir,
                                                              nos próprios relógios,
                                                              a hora que bem quiserdes...
                                         Não menosprezo os prodígios
                                         com que alucinais a criançada
                                         e impressionais gente grande....
                                                              Mas por que não vos unis,
                                                              Mágicos do Mundo inteiro,
                                                              para um prodígio
                                                              que acabe com a violência urbana
                                                              e desmoraliza as guerras entre nações?...
                                        Por que não fazeis
                                        com que os canhões
                                        só disparem rosas
                                        e que as bombas
                                        se desfaçam em flores?!...

             Nesta hora em que vemos explodirem violências e conflitos em várias partes do Mundo,  -  mais, incomparavelmente mais do que podem fazer os Mágicos, apelemos para o nosso Deus, Ele que ama a Paz, Ele que quer a Paz, Ele que é a Paz -  Salva a Paz, salva a Humanidade das guerras e da destruição de nossas cidades!
             Salva a Humanidade, Senhor Deus!


                                                          ************************

             E, continuando a "reler" o Príncipe dos Poetas de Língua Portuguesa, Camões:

                                                        Onde acharei lugar tão apartado
                                                         e tão livre em tudo da ventura,
                                                         que não digo eu de humana criatura,
                                                         mas nem de feras seja frequentado?

                                                                                 Algum bosque medonho e carregado,
                                                                                 ou selva solitária, triste e escura,
                                                                                 sem fonte limpa ou plácida verdura,
                                                                                 enfim, lugar conforme a meu cuidado?

                                                        Porque ali, nas entranhas dos penedos,
                                                        em vida morto, sepultado em vida,
                                                        me queixo copiosa e livremente.

                                                                                Se, pois, a minha dor é sem medida,
                                                                                ali triste serei em dias ledos,
                                                                                e dias tristes me farão contente!...

                                                             *************************
                                                        

sexta-feira, 23 de maio de 2014

CAMINHAR... SEMPRE CAMINHAR!



            Volto de novo ao meu tema preferido: Caminhar! Porque é muito bom caminhar...
            Caminhar é expressão tão profunda e tão bela, que não se aplica apenas à marcha que nossos pés realizam pelas ruas da cidade ou estrada a fora, pelos caminhos do mundo... Se caminhar fosse apenas isso, já seria muito. A verdade  é que eu, aposentado, já velhote,  não tendo nada de útil para fazer, gosto de andar ao léu, percorrer as ruas do bairro, quer estejam cheias de gente, ou quer estejam vazias ou quase vazias, por se tratar de alta noite ou de madrugada muito menina... Gosto de percorrer estradas, sobretudo quando há árvores, sombras, flores, às vezes até cantos de passarinhos...
           Hoje, sexta-feira, dia chuvoso e frio, estou pensando é nas caminhadas espirituais. Caminhar, sinônimo de não parar, não se acomodar, mas avançar, progredir, seguir em frente... Caminhar na Fé, na Esperança e no Amor. Caminhar na compreensão humana.
          Em lugar de apressar-me em julgar e condenar, entender, sempre mais, que cada criatura é única. Compreender que é, de fato, impossível julgar... 
          Caminhar na capacidade de ouvir. O tanto que falo! Até pelos cotovelos...  Como tenho dificuldade de dar a voz e a vez aos outros!
          Caminhar na capacidade de dialogar. E dialogar não é fazer de conta que se escuta os outros e já trazer as minhas conclusões decididas e prontas.
          Dialogar é pesar e prezar os argumentos válidos que me são apresentados. É saber vencer e saber perder.
          Melhor do que vencer, é conseguir unir-me com quem discuto, para que, juntos, eu e ele, ou eu e ela, consigamos ver mais dentro e ir mais longe, do que ficando isolados...
          Caminhar na compreensão da Natureza em que vivo: em lugar de rir de quem fala em ouvir o silêncio; em lugar de achar pueril e ridículo pretender ouvir as árvores, as águas, as estrelas; em lugar de achar perda de tempo, buscar entender o canto dos pássaros, o uivar dos cães, o ruído da chuva batendo no telhado...
         Saber que a Natureza tem vozes! Eu é que, na minha auto-suficiência, quase sempre não tenho as antenas necessárias para entender a voz das pedras, o farfalhar das árvores, o resmungo dos animais...
         Caminhar na paciência comigo mesmo. É orgulho ficar sem entender que, mesmo nos meus setenta e oito anos e com a carrada de experiências de vida que penso ter, isto não quer dizer que eu não deva deixar de lutar para não cair...Mas descobrir que sou fraco e pecador, diante de Deus e do homem e da mulher, meus irmãos.
         Por isso, caminhar na confiança de Deus e do próximo... É triste, na minha idade, viver por aí desconfiando de tudo e de todos.
         Caminhar: aproveitar a vida como dom gratuito recebido de Deus. Ganhar muitos companheiros de caminhada... Caminhar sem perder o rumo, sabendo que a meta final é a Casa do Pai de todos os pais!...

                                                        ***********************

        Continuando a "releitura"  do Príncipe dos poetas de Língua Portuguesa, Camões:

                                         No mundo, poucos anos e cansados, 
                                         Vivi, cheio de vil miséria dura: 
                                         Foi-me tão cedo a luz do dia, escura,
                                         que não vi muitos anos já passados.

                                                             Corri terras e mares apartados,
                                                             Buscando para a vida alguma cura;
                                                             Mas aquilo que, enfim, não quer Ventura, 
                                                             Não o alcançam esforços arriscados.
       
                                         Criou-me Portugal na verde e cara
                                         Pátria minha Alenquer; mas o ar corrupto
                                         Que neste meu humano corpo tinha, 

                                                             Me fez manjar prá ti, este mar bruto,
                                                             Que bates na Abissínia fera e avara,
                                                             Tão longe da ditosa Pátria minha!

                                                  **************************



   
       
         
           

terça-feira, 20 de maio de 2014

O MISTÉRIO DAS MÃOS



            Temos uma imensa dívida para com nossas mãos. Sem elas, como seria nossa vida? Elas se prestam a gestos e ações altamente construtivas, grandes e belas.
            Mãos postas, acompanhando preces; e aqui eu penso, de modo especial, em mãozinhas de crianças que a jovem mãe junta, enquanto aprendem a rezar; penso também em mãos trêmulas de velhinhos, que pedem a Deus pelos filhos e netos ausentes... E eu, nos meus 78 anos, não me considero tão velhinho assim, ontem estive no geriatra, e não sei nem quero saber por que ele me perguntou se tenho tremor nas mãos!...
            E por falar em médicos, lembro-me das mãos de cirurgião, que salvam vidas, não raro com extrema habilidade... Basta lembrar a perícia com que cirurgiões manejam cérebros e corações...
            Mãos calosas de trabalhadores, quase sempre mal remunerados...
            Mãos ágeis de secretárias que, em escritórios e repartições, vencem, por minuto, um número incrível de batidas nas teclas do computador...
         Mãos de músicos  -  (saudades de minha infância lá em Minas Gerais), quando acompanhava a "furiosa" pelas ruas da cidadezinha, empolgado pela enorme tuba que produziam sons fantásticos e me faziam sonhar com mundos impossíveis...
           Mãos que semeiam - (saudades de meu velho avô, semeando sementes no seu pequeno sítio, que seriam alimento para uma infinidade de pessoas, além de me fazerem  pensar em sementes de Amor, de Esperança e de Paz).
            Mãos de pintores, mãos de escritores, que fazem tudo para não trair os sonhos de beleza que  brotam do pensamento e do coração do artista.
            Mãos de linotipistas que compõem o jornal com uma síntese do dia que estamos vivendo, além das notícias de todas as regiões deste nosso imenso mundo de Deus.
            Mãos que acariciam: mãos de mães, mãos de namorados, mãos de esposos, mãos de sacerdotes que nos abençoam...
            Seria facílimo continuar. Mas me parece importante lembrar que as mãos humanas, capazes de tanta grandeza e tanta beleza, sabem também, infelizmente, distribuir desolação e morte.
         Há mãos que se fecham, egoístas e avaras. Há mãos que se crispam, cheias de ódio, chegando, muitas vezes, ao extremo de arrasar, de ferir, de destruir, de matar...
           Há mãos que batem a porta na cara de alguém que pede para entrar, e que merece entrar...
            Há mãos preguiçosas, especialistas em jogar em cima dos outros o trabalho que lhes cabia fazer...
          Há mãos que roubam de ricos e até de pobres. Há mãos que sequestram crianças, sequestram jovens, sequestram pessoas, como os jornais todo dia noticiam...
            Há mãos que metralham fuzilam, jogam bombas arrasadoras, que são ameaça permanente de extermínio da vida na Terra...
            E eu preciso fazer uma prece:
            Que nossas mãos, à imitação das Tuas, sejam semeadoras de Tranquilidade, de Esperança, de Amor e de Paz!
           Cristo, em Tua Encarnação, em Tua Vida nas estradas da Palestina, Tu usaste Tuas mãos de modo admirável! Elas passaram fazendo o Bem!



                                                             ******************


           Continuando a "releitura" do Príncipe dos Poetas da Língua Portuguesa, o imortal Camões:


                                                Dos céus à Terra desce a mor Beleza,
                                                Une-se à nossa carne e a torna nobre;
                                                E sendo a humanidade antes tão pobre,
                                                Hoje subida fica à maior alteza.
                                                                      
                                                                   Busca o Senhor mais rico a mor pobreza
                                                                  Que ao nosso mundo o Seu amor descobre.
                                                                  De palhas vis o Corpo tenro cobre,
                                                                  E por elas, o mesmo Céu despreza.


                                              Como? Deus em pobreza à Terra desce?                                                                                                   O que é mais pobre tanto lhe contenta,
                                              Que este muito rico Lhe parece.


                                                                Pobreza o Seu presépio representa                                                                                                            Mas tanto por ser pobre Lhe merece
                                                                Que quanto mais o é, mais lhe contenta!
                                             
                                                           ********************

sábado, 17 de maio de 2014

CRISTO RESSUSCITADO, CAMINHO, VERDADE E VIDA.



          A pessoa de Cristo, hoje, impressiona e seduz muitos homens e mulheres do nosso tempo, especialmente os mais jovens, por tudo o que de humano transmite por Seu amor aos pobres, por Sua coerência, Sua tomada de posição levada até à morte, contra as pretensões do poder.
         Mas há o risco de que esse Cristo seja visto em perspectiva simplesmente humana, deixando para segundo plano ou mesmo recusando Sua divindade. Por isso, a fé na divindade de Jesus Cristo deve ser particularmente defendida e corroborada em nosso tempo.
         "Cristo não é apenas um homem, nem mesmo um homem de proporções gigantescas"  - escreveu um Seu entusiasta. De que me serviria um Deus despojado de Sua divindade, grandeza, poder, e reduzido à minha própria humanidade?
         Já tivemos muitos grandes homens que conseguiram até certo ponto influenciar o espírito humano e modificá-lo. Mas todos, uns mais outros menos, apresentaram suas limitações ideológicas e existenciais, teóricas e práticas.
         Houve entretanto um homem há dois mil anos que ainda hoje nos comove com sua "mensagem revolucionária", mas que, diversamente de todos os grandes homens  -  Buda, Confúcio, Maomé,  Marx,Francisco de Assis, Gandhi, Martin Luther King  -,  não disse; "sou um profeta" , "sou um teórico", "sou um reformador", "sou um contestador", "sou um revolucionário",( mesmo que o tenha sido).  Ele disse simplesmente:  -"Eu sou o caminho, a verdade, a vida".
         Cristo é o caminho: não há outras vias para atingir a Deus e para chegar à plena realidade do homem e da mulher.
         Cristo é a verdade na confusão ruidosa das mil verdades que só duram um dia. Ele permanece como o termo último de todas as verdades.
         Cristo é a vida: todos os esforços de homem e de mulher para vencerem as barreiras da morte só conseguem retardar por um momento o terrível encontro com nosso Deus, Senhor e Juiz.
         Só Cristo destrói essa barreira e nos abre as portas para uma vida sem fim, em plenitude total na Casa de Seu Pai e Pai de todos os pais.
         Jesus Cristo ressuscitado é o nosso caminho, nossa verdade, nossa vida.
         A Ele, a honra e a glória por todos os séculos dos séculos. Amém

                                               ****************************

Prosseguindo na releitura  "do Príncipe da Literatura de Língua Portuguesa", Camões:


                                                  Num tão alto lugar, de tanto preço,
                                                  Este meu pensamento posto vejo, 
                                                  Que desfalece nele inda o desejo,
                                                  Vendo quanto por mim o desmereço.

                                                                         Quando esta tal baixeza em mim conheço,
                                                                         Acho que cuidar nele é grão despejo,
                                                                        E que morrer por ele me é sobejo, 
                                                                        E mor bem para mim do que mereço.

                                                   O mais que natural merecimento
                                                  De quem me causa um mal tão duro e forte,
                                                  O faz que vá crescendo de  hora em hora,

                                                  Mas eu não deixarei meu pensamento
                                                  Porque, inda que este mal me cause a morte,                                  
                                                  "Un bel morir tutta la vita onora,"                  


                                           **********************************
                                                                        

                                           
    
       

quinta-feira, 15 de maio de 2014

"VENHA A NÓS O VOSSO REINO"



            O problema da "Parusia" - (a vinda do Senhor no final dos tempos) - permanece o grande problema do Cristianismo. E é evidente, não se trata, absolutamente, em si, de um problema. O Reinado de Cristo já está estabelecido, porém, não definitivamente manifestado  -  permanecemos num tempo de desenvolvimento, de opção e de preparação.
            Permanecemos num tempo de decisão. O cristão é alguém, ou deveria ser, que "se decidiu"  pela "Parusia"; pela vinda, no fim dos tempos, do Reino.
            A vida do cristão é orientada por esta decisão. Sua existência tem sentido na medida em que a "Parusia" é, para ele, de importância crucial.
            No entanto, a "Parusia", me parece, acha-se indefinidamente adiada.
            Também isso não é um acaso. Deve ser tomado como fazendo parte do problema. A "Parusia", em si, não é problema. A demora da "Parusia" não é todo o problema. Essa demora faz surgir o problema.
            A solução, no meu modesto entender, é a seguinte:
            Como cristão, sou um homem que coloquei todas as minhas esperanças no Reinado de Cristo a ser definitivamente manifestado pela vitória final na hora da "Parusia" - e é a vitória final da vida sobre a morte.
            Tendo a "Parusia" sido "adiada", foi, por dois mil anos, deixada a homem e mulher a tarefa de construir para si mesmos uma espécie de reino, uma Cristandade cultural político-religiosa que, admito, não é tudo o que se teria esperado, mas que tem suas vantagens.
            Ora, para mim, a questão é esta: se a "Parusia"  significa o fim e a destruição dessa estrutura provisória, e mesmo seu julgamento, devo eu realmente desejar a "Parusia"?  Não deveria com toda a minha sinceridade rezar para que a "Parusia" continue sendo adiada indefinidamente?
            E, com  todo o poder que me é dado para mover a vontade de Deus, pela minha oração, não deveria eu, antes, tentar mudar o plano divino e não me preocupar mais com o assunto?
            Não deveria, talvez, considerar meu dever pedir ao Senhor que permita a nós, humanos, construir o Reino a nosso modo? Um Reino consistente com o que já vivemos? Um Reino de Deus ao mesmo tempo sagrado e encravado no mundo, e também colaborando no terreno político com o mundo?
            Aliás, isto já foi tentado uma vez. Foi no século VIII e atravessou a Idade Média. Foi uma boa tentativa, porém alguns pontos foram descuidados. Não se poderia assumir novamente uma posição que permitisse uma melhor tentativa? E para dessa vez ser uma tarefa bem sucedida?
            Assim, se está em realidade se decidindo contra a "Parusia". - "Venha a nós o Vosso Reino"  -  não, porém, agora. Não dessa maneira desoladora  -  mas no tempo e na maneira que melhor convier aos homens e mulheres deste nosso mundo...
           Com isso, o cristão aprendeu a orar contra a vinda do juízo final e por uma eternidade que é um prolongamento indefinido do tempo. Pois homens e mulheres precisam de tempo. Tempo para tentar o que se quis sempre e sempre de novo.
            E deixo uma sugestão para se emendar um pouco a oração que Cristo nos ensinou. Eliminar do "Pai Nosso" "Venha a nós o Vosso Reino",  e substituí-lo por "Precisamos de mais tempo!"

                                                           ****************

Aroldo Teixeira de Almeida é Professor Aposentado do Quadro Próprio do Magistério Paranaense e Licenciado em Teologia pela Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, de São Paulo.

                                                            ****************

Continuando a releitura do Príncipe dos Poetas de Língua Portuguesa, Camões, na sua "Lírica":

                                                    Erros meus, má Fortuna, amor ardente
                                                    Em minha perdição se conjuraram;
                                                    Os erros e a Fortuna sobejaram,
                                                    Que para mim bastava amor somente.

                                                                             Tudo passei; mas tenho tão presente
                                                                             A grande dor das coisas que passaram,
                                                                             Que a magoadas iras me ensinaram
                                                                             A não querer já nunca ser contente.

                                                     Errei todo o discurso de meus anos,
                                                     Dei causa a que a Fortuna castigasse
                                                     As minhas mal fundadas esperanças.

                                                                             De amor não vi  senão breves enganos.
                                                                             Oh! quem tanto pudesse, que furtasse
                                                                             Este meu duro gênio de vinganças!

                                                                ************************
                             
                                                                                                                                 












                                                     


   
 

terça-feira, 13 de maio de 2014

OS PERCALÇOS DA CARIDADE...




                  Um fato que gosto muito de relembrar e divulgar:
                Na década de 1960, quando estudante da Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, na Capital Paulista, acompanhei um sacerdote que foi celebrar a Santa Missa  em certa igreja de um bairro populoso da cidade, num domingo. O tema de sua pregação foi um texto do Evangelho daquele dia no qual Jesus fala no duplo mandamento do amor a Deus e do amor ao próximo, essência da Moral Cristã.
                O padre aproveitou a oportunidade do sermão para fazer notar que este mandamento se aplicava  também, e com muita propriedade, ao problema do preconceito racial, bastante presente naquele bairro, muito próspero, de ricas mansões, mas rodeado por uma das grandes favelas paulistanas.
                Explicou o pregador como brancos e negros, ricos e pobres, deveriam realmente amar-se uns aos outros, a ponto de se aceitarem mutuamente numa sociedade bem integrada e cristã.
               Ali pela metade de sua homilia, quando o sentido de suas palavras se tornava suficientemente claro, um homem, levantando-se no meio da assembléia, gritou raivosamente:
               - "Não vim aqui para ouvir essa espécie de coisa que não presta. Vim para assistir à Missa!"
               O padre calou-se e esperou. Isso exasperou ainda mais o homem, pediu que o sermão terminasse ali mesmo naquele instante porque, do contrário, se retiraria.
               O sacerdote continuou a esperar em silêncio, e o homem se levantou protestando em voz alta contra aquela doutrina que achou conveniente classificar de "desprezível".
               Como o padre continuasse calado, o homem se retirou da igreja, acompanhado da esposa e filhos., e de um ou outro que o apoiaram.Ao chegar à porta, virou-se e gritou para o celebrante:
                - Se eu falto ao preceito dominical hoje, a culpa é sua!"
                Refletindo neste fato, mais tarde, cheguei à conclusão de que pode alguém considerar-se "bom católico" e ser tido como tal por seus vizinhos quando, na realidade, ele não passa de um apóstata da Fé Cristã. Sem dúvida, a imensa maioria das pessoas  que testemunharam este incidente não concordaria em aceitar a atitude daquele homem.
                O fato é que eu, no meu íntimo, a condenei veementemente. À saída da igreja, ouvi de algumas pessoas a desculpa pelo seu gesto intempestivo, achando que condená-lo seria falta de "caridade...", por se desconhecer as profundas motivações que o levaram a isso.
                Mas esta "falta de caridade" não seria a de uma caridade abstrata e legalista? Formalidades, abstrações, não justificam um ato falho. Gestos de conformismo não tornam uma pessoa mais cristã, mais "caridosa". E quando a conduta concreta desmente por completo o sentido do gesto, é uma declaração objetiva de que o nosso Cristianismo perdeu seu sentido.
                 Por que razão temos de possuir um coração tão "caridoso" para com gente assim?  Desculpar inteiramente tais pessoas seria participar dessa transgressão da lei e da objetividade do acontecimento. A falta cometida deve ser claramente apontada e declarada, pois, do contrário, seria concordância com a proliferação da injustiça e da mentira, sob o disfarce de "cristianismo".
                 O melhor que se poderia dizer dessas pessoas é: "Não sabem o que fazem."


                                                         *****************

Continuando minha "releitura" dos sonetos de Camões, o "Príncipe dos Poetas de Língua Portuguesa":

                                               Verdade, Amor, Razão, Merecimento,
                                               Qualquer alma farão segura e forte;
                                               Porém Fortuna, Caso, Tempo e Sorte
                                               Têm do confuso Mundo o regimento.

                                                                     Efeitos mil revolve o Pensamento,
                                                                     E não sabe a que causa se reporte;
                                                                     Mas sabe que o que é mais que Vida e Morte,
                                                                     Não o alcança o humano entendimento.

                                               Outros muitos darão razões subidas,
                                               Mas são experiências mal provadas,
                                               E por isso é melhor  não seja visto.

                                                                    Muitas coisas por nós foram criadas,
                                                                    E outras foram cridas, não passadas; 
                                                                    Mas o melhor de tudo é crer em Cristo!

                 
                                                      ******************

                      
         

domingo, 11 de maio de 2014

'E POR FALAR EM SORRIR..."



            Sorrir! É tão importante sorrir, dependendo da profundidade e da origem do sorriso.
            Os pais  -  verdadeiramente Pais  -  aguardam, com ansiedade, o primeiro sorriso do filhinho. Sabem que sorrir é próprio do homem e da mulher?... Nem o macaco, que dizem parecer com os humanos, sorri... O cachorrinho Bili, de minha neta Isabela, sabe manifestar sua alegria sorrindo a seu modo, isto é, balançando a cauda...
           Falei acima na importância de medir a profundidade e a origem do sorriso. Não merece o nome de sorriso o entreabrir artificial dos lábios, só para ser amável com os amigos ou com visitas de cerimônia, ou com relacionamentos convencionais...
           Não merece o nome de sorriso o entreabrir de lábios que costuma acompanhar a ironia, gozando a perversidade que deve ter atingido o alvo, gozando a malícia que deve ter feito alguém sofrer...
          Sorriso, sorriso mesmo, vem de dentro, da alma. Traduz alegria, compreensão, amor e paz.
          O sorriso, o riso e a risada são irmãos. O riso é mais aberto, mais ruidoso, mais festivo. Quando o meu time, o Atlético, mete um gol no rival Coritiba, não me basta sorrir: é preciso o brado de surpresa, de alegria, seguido de boas risadas de felicidade...
          Sorri minha esposa Cida, que neste "Dia das Mães", gostaria de preparar uma sobremesa gostosa para nós três - ela, nossa neta Isabela e eu  - mas vamos fazer-lhe uma "surpresa" que ela certamente já esperava: sair para almoçar fora, deixando-a livre do fogão neste dia que é só seu...
          Sorri o jardineiro que cuidou, com rapidez e muita categoria, do nosso pequeno jardim à frente da casa, para esperar os filhos que vêm para cumprimentar e abraçar a mãe...
          Lembro-me dos meus sorrisos de namorado, quando me sentia em pleno embevecimento, há quarenta e sete anos atrás... e hoje essa lembrança é pretexto para risos e sorrisos celestiais entre minha esposa e eu...
          Dizem que é mau sinal andar falando sozinho... Confesso que sorrio muito sozinho  - Quando o céu de Curitiba deixa de estar enfarruscado e quase exagera de tanta beleza; quando há flores em nosso jardim, que poderiam participar de exposição em qualquer planeta; quando a luz se despede do dia; quando surgem as primeiras estrelas  -  coisa rara por aqui! - quando aos domingos, na feira, as cores são uma tentação para quem tem filme colorido; quando vejo a vizinha grávida e penso nas crianças que vão assistir na TV o prodígio de uma viagem espacial às profundidades do infinito...
        E, principalmente, quando encontro marcas visíveis da ação do Pai de todos os pais entre nós, ou também as marcas da ação de Homem e de Mulher, como sócios e co-criadores com o Criador!
        E neste domingo, em que comemoramos o "Dia das Mães", aguardo ansioso o sorriso de minha esposa, ao receber os humildes presentes do filho, dos netos, e meus...
        Lembro-me de minha mãe, Julieta, e de minha querida filha Raquel, que partiram deste mundo para ir morar junto a Deus no Céu, mas deixando-nos um presente e uma lembrança esplendorosa, na pessoa de  Isabela, filha da Raquel  -   que mora conosco, enchendo de alegria seus já idosos avós...
        E termino, com uma saudação afetuosa a todas as Mães de nossa Curitiba, que recebem neste seu dia o amor e a gratidão dos filhos pelo dom da vida e pelo sacrifício diuturno para bem criá-los e encaminhá-los com segurança pelas estradas do mundo!...
        Feliz "Dia das Mães" a todas que me derem a satisfação de lerem este meu pobre texto, e o soneto do "Príncipe dos Poetas de Língua Portuguesa"  -  Camões  -   que agora lhes ofereço, com muito afeto e alegria:

                                 Quem vê, ó Mãe, bem claro e manifesto
                                 O lindo ser de vossos  olhos belos, 
                                 Se não perder a vista só com vê-los,
                                 Já não pago  o que devo a vosso gesto.


                                                       Este me parecia preço honesto,                                                                                                                      Mas eu, por de vantagem merecê-los,
                                                       Dei mais a vida e alma por querê-los, 
                                                       Donde já não me fica mais de resto.


                                Assim que vida, e alma, e esperança,
                                E tudo quanto tenho tudo é vosso,
                                E o proveito disso eu só o levo.


                                                    Porque é tamanha tem-aventurança
                                                    O dar-vos quanto tenho e quanto posso
                                                    Que, quanto mais vos pago, mais vos devo!
     
                                                                      *************

quinta-feira, 8 de maio de 2014

RELENDO O ANTIGO TESTAMENTO



        A grandeza do Antigo Testamento está começando a se tornar plenamente empolgante em algumas das ótimas teologias do Antigo Testamento escritas por bons especialistas, como Von Rad, Eichrotd e outros, que tenho lido e estudado ultimamente.
       O universo do Antigo Testamento é um universo de louvor, do qual homem e mulher constituem parte viva e essencial, lado a lado com os exércitos angélicos.
        Ora, o louvor é a mais segura manifestação da verdadeira vida. A característica do "Xeol", a região dos mortos, é a ausência de louvor. Os salmos são, portanto, a mais pura expressão da essência da vida nesse universo: Javé está presente a seu povo quando os salmos são cantados com vigor triunfante e jubilação (e não apenas murmurados e meditados individualmente na barba ou na cabeleira de cada um ou de cada uma).
        Essa presença e comunhão,  esse  vir a ser  no ato de louvar é o cerne do culto no Antigo Testamento, como o é também no louvor da comunidade cristã. O louvor vivo é a plenitude do ser de homem e mulher em relação a Deus. Contudo, tem também uma dimensão histórica: Fé no poder de Javé e em suas grandes obras de misericórdia, assim como, em  Suas promessas, Ele torna a história presente àquele que canta como realidade e fato teológico.
         A compreensão teológica desses grandes feitos do Senhor é sentida e experimentada em toda a sua beleza. O magnífico poder da radiosa presença do Senhor revelada em seus feitos salvíficos toma inteiramente posse do adorador. Daí a qualidade arrebatadora dos salmos que nós, cristãos, cantamos em nossas celebrações litúrgicas.
          Lembro-me que numa festa de Cristo Rei, em minha paróquia, ao cantarmos o "Jubilate Deo omnis Terra"  (= que toda a Terra se encha de júbilo com Deus) com tanto entusiasmo e empolgação, que me pareceu que íamos arrancar o teto da igreja. Onde encontrar isto, senão em nossa Liturgia? "Jubilate" é uma alegria que "não se pode conter..."   É o verdadeiro grito de triunfo que experimentamos quando a beleza divina e angélica se apodera de todo o nosso ser na alegria do Cristo ressuscitado!
          Voltando ao meu comentário sobre o Antigo Testamento, creio que não devemos ser demasiadamente unilaterais a seu respeito. Na verdade, a beleza de Deus é mais bem louvada por homens e mulheres que atingem e percebem seus limites humanos, sabendo que seu louvor não pode alcançar a Deus plenamente, porque o finito não pode atingir o infinito.
          É então que o longo e inarticulado "jubilus" entra em cena, no canto gregoriano, uma das grandes riquezas do Catolicismo. O gregoriano possui uma graça particular para fazer sobressair essa experiência do louvor, que atinge seu limite e, no entanto, continua numa nova dimensão.
         Desse modo, nosso louvor não atinge só o coração de Deus, mas também o coração da própria Criação, encontrando por toda parte o belo da justeza e da misericórdia de Javé.
         Essa é a grandeza que nos traz a leitura e a meditação, orante, do Antigo Testamento.

                                                            ******************

Um belo soneto do Príncipe dos Poetas de Língua Portuguesa, Camões:

                                       Sete anos de pastor, Jacó servia
                                       Labão, pai de Raquel, serrana bela;
                                       Mas não servia ao pai, servia a ela,
                                       E a ela só por prêmio pretendia.

                                                            Os dias, na esperança de um só dia,
                                                            Passava, contentando-se com vê-la; 
                                                            Porém o pai, usando de cautela,
                                                            Em lugar de Raquel lhe dava Lia.

                                       Vendo o triste pastor que com enganos
                                       Lhe foi assim negada sua pastora,
                                       Como se a não tivera merecida,

                                       Começa de servir outros sete anos,
                                       Dizendo: - Mais servira, se não fôra
                                       Para tão grande amor tão curta a vida!

                                                      *******************

                                     


terça-feira, 6 de maio de 2014

"A PARÁBOLA DA PALAVRA E DO POETA"



            Está me parecendo que os padres católicos e os pastores protestantes subitamente começaram a achar urgente assegurar nos seus sermões que o "mundo" está indo para as cucuias, que o "mundo" não nos fala a verdade, que o "mundo" é mau, que o "mundo" já está condenado. O certo, porém, é que padres e pastores descem a lenha no "mundo", mas nem sempre mostram com a devida clareza de que mundo estão falando.
            Com isso, para mim padres e pastores, que insistem que o "mundo" nos está enganando, significa  apenas o mundo que recusa aceitá-los e à sua mensagem, nem sempre de acordo com o que o crente realmente espera deles.
            Na verdade não falam do mundo deles, de seu rígido sistema de fragmentos do passado, sustentado em conjunto com dinheiro e exércitos, mantenedores da assim dita civilização democrática e "cristã".
            Creio que só os Poetas e sonhadores é que estão ainda seguros, de verdade, em seu agudo senso profético, de que o mundo mente, de que vivemos num mundo de mentiras institucionalizadas.
            Lendo os Poetas, cito aqui apenas um, dentre muitos outros  -  George Oppen  - que disse muito bem a respeito deste nosso mundo de mentiras:

                                                 Eles dizem que não
                                                 mas o que aguardam é a guerra 
                                                 e a notícia é guerra
                                                 como sempre
                                                 querem a guerra
                                                 para que os sucos nela possam fluir
                                                 e os sucos também mentem


            Esta diálogo psíquico e químico de notícias misturado a  glândulas, sucos, opiniões, auto-afirmação, desespero: isto é para eles "o mundo", e nenhum profeta precisa doutrinar a respeito. Ali está ele para qualquer um ver, e "o vêem". Vêem como as pessoas e como eles mesmos agem nesse "mundo", aliás, como o testemunha o Poeta:


                                              Desenvolvem argumentos a fim de falar
                                              tornam-se irreais
                                              e a vida irreal perde 
                                              a solidez
                                              perde em extensão
                                              baseball é seu jogo preferido
                                              porque o baseball não é um jogo
                                              mas um argumento                                                                                                                                       e uma diferença de opinião
                                              é que faz as corridas de cavalo
                                              são fantasmas que põem em perigo
                                              nossa alma


            Notícias, argumentos, baseball, e os sucos que fluem. O fato é que não quero as notícias, mas o fluir dos sucos. O estímulo é que tudo isso é mentira, mas não consigo dispensá-lo.


                                             Lobos podem caçar com lobos
                                             mas nós perderemos a humanidade
                                             nas cidades,
                                             nas lojas e nos escritórios
                                             por simples iniciativa


            Mas o Poeta que venho citando  -  Oppen ainda  -  conhece outro mundo mais real, não o das mentiras e do ar viciado de ônibus e de metrô  -  mas o mundo da vida. E este mundo da vida é manifestado nas palavras do Poeta; não é, porém, um mundo de palavras.    Pois o que me importa não são as palavras, mas a vida.
            Se me ponho a escutar de modo particular a linguagem do mundo, falando sobre si próprio, com toda certeza ele me dirá mentiras, e eu serei enganado.
           Isto, entretanto, não acontecerá, se eu escutar a vida em sua humildade, fragilidade, silêncio e tenacidade. E o Poeta fala sobre uma criancinha judia, do "Holocausto":

                                           Sara, pequena semente
                                           semente pequena, violenta, diligente
                                           vem, vamos olhar o mundo
                                           cintilando
                                           essa semente há de falar
                                           palavras
                                           não haverá outras palavras no mundo
                                           senão as que nossas crianças falam
                                           que farão elas de um mundo
                                           do qual elas mesmas foram feitas?


            Será que as palavras das crianças são mentiras também, como as de minha geração  -  ou mentiras piores ainda? Quando se tem uma visão mais profunda da realidade, não há necessidade de perguntar.
             Creio que há a Esperança. Creio num mundo que se refaz à ordem de Deus, sem consultar-nos.
            Poeta não faz perguntas em relação a mentiras, nem com elas se preocupa. Ele vê apenas o mundo a refazer-se na semente viva  -  Sara, pequena semente  -  e o  Poeta pode confiantemente levar uma criancinha à janela para olhar os edifícios falsos, cintilantes, sobre os quais, mais tarde, virão também cintilar algumas palavras.
            O cintilar é falso? Bem, mas a luz é verdadeira. Com isso, o cintilar deixou de ter importância.
            É até mesmo belo.
                                              

                                           

sábado, 3 de maio de 2014

AI DOS SACIADOS!...



                                                       Tenho pena, Senhor,
                                                       dos que têm fome
                                                       e mais pena ainda
                                                       dos saciados,
                                                       que morrem de fastio e de tédio....

                                         *************************************


             Tenho pena dos que têm fome e não consigo acostumar-me a ver criaturas humanas, filhos de Deus, disputando restos de comida em fundos de restaurantes...

             E como ouso dizer que tenho mais pena ainda dos saciados, que morrem de fastio e de tédio?
           Sei que Deus me entende! Aflige-me a Criatura que nem sabe mais o que fazer com seu dinheiro; não sabe mais em que gastar; não consegue, mesmo com seus esbanjamentos faraônicos, acabar com a sua fortuna... talvez conseguida sabe lá Deus com que métodos!...
            Pode ser que hoje mesmo, de improviso, chegue o espectro da morte, e aí de nada valerão, do outro lado, todos os créditos bancários, todas as cadernetas de poupança, todos os blocos de talonários de cheques...
         
                                                     Tenho pena, Senhor,
                                                     dos sem-casa, dos sem-abrigo,
                                                     e mais pena ainda
                                                     dos instalados,
                                                     dos enraizados
                                                     que fizeram da Terra
                                                     morada permanente...

                                       *************************************


            Tenho pena dos sem-casa e sem-abrigo... É tão bom, no fim do dia, terminado o trabalho, voltar para casa, ter um canto só seu... Quem sabe, um banho reparador, aguardando o jantar com seus entes queridos...

            Deve ser horrível não ter para onde ir, ficar rolando nos pátios das igrejas, nos pisos de edifícios, debaixo de marquises de centros comerciais, ou debaixo de pontes, sem comida, sem banho, sem nada...
            Como então ouso dizer que ainda me aflige mais encontrar Criaturas instaladas, enraizadas, totalmente esquecidas de que não temos aqui morada permanente e de que, a cada instante, pode soar o sinal de partida!?...
            Feliz de quem guarda a lembrança de que estamos em marcha, em caminhada, e de que, casa mesmo, casa permanente, casa eterna, só quando chegarmos  à Casa do Pai de todos os pais!
            Quem vive à luz desta verdade faz tudo para que não falte a ninguém um teto humilde e um catre onde repousar o corpo cansado!...
           
                                                  Tenho pena, Senhor,
                                                  dos que Te procuram
                                                  tateando na sombra
                                                  mas tenho mais pena ainda
                                                  de quem julga bastar-se a si mesmo
                                                  de quem julga não precisar de Ti,
                                                  se crendo ser um super-Deus...


                                 *******************************************



            Tenho pena dos que procuram Deus e têm a impressão de não encontrá-Lo: tateiam na sombra! Mas quem busca o Senhor, mesmo que guarde a impressão de não O encontrar, já tem garantido o seu encontro com o Criador e Pai!

            Afligem-me, Senhor, os que de tal modo se bastam a si mesmos, e se julgam seguros e fortes, que nem precisam de Ti.
            Perdoa-lhes a insensatez: mais frequente do que maldade. És grande demais, Senhor, e sobretudo és bom demais para desceres a mesquinharias de vinganças!... Pai é pai, e Tu és o Pai de todos nós!

                                *******************************************


           Relendo o Príncipe dos Poetas de Língua Portuguesa, Luís Vaz de Camões:


                                               Ditoso seja aquele que somente
                                               se queixa de amorosas esquivanças:
                                               pois por elas não perde as esperanças
                                               de poder nalgum tempo ser contente.


                                                                  Ditoso seja quem, estando ausente                                                                                                           não sente mais que a pena das lembranças;
                                                                  porque, inda que se tema de mudanças,
                                                                  menos se teme a dor quando se sente.


                                                Ditoso seja, enfim, qualquer estado                                                                                                           onde enganos, desprezos e isenção
                                                trazem o coração atormentado.


                                                                Mas triste quem se sente magoado                                                                                                             De erros em que não pode haver perdão,
                                                                Sem ficar na alma a mágoa do pecado.



                                            *************************************************